O ego não é meramente um sinônimo de arrogância, como se acredita no Ocidente. Apesar estar coligado ao conceito de orgulho e soberba, podemos entender o ego de maneira mais simples, seguindo o texto dos manuscritos originais. A alma é descrita como uma partícula ‘anti-material’, uma fagulha de consciência eterna que necessita de um veiculo pra interagir com a a realidade cósmica. Este veiculo: o corpo, possui nome, gênero, características, aptidões desejos e vontades. Esse é o ego.

Em poucas palavras, o ego é a identidade provisória de cada individuo durante uma vida. Segundo o Bhagavad Gita, a alma individual não tem começo e nem fim. A alma troca de corpos assim como trocamos nossas vestimentas velhas por roupas novas no fim de um ciclo. A alma é aquilo que compreende a experiência, a consciência dentro de cada um, o ego é a personalidade que abandonamos ao abandonar o corpo.